[ editar artigo]

Por que separar as finanças pessoais e as da sua empresa

Por que separar as finanças pessoais e as da sua empresa

O que você vai ler neste artigo:

  • Por que você não deve misturar o seu dinheiro com o da empresa?
  • Como separar as finanças pessoais e empresariais?

Um belo dia você resolveu abrir seu próprio negócio. Empreender é um passo muito importante na vida de qualquer pessoa, pois um negócio, não importa o tamanho, exige dedicação e organização.

Muitos brasileiros, assim como você, estão buscando melhorar sua renda pelo empreendedorismo e, muitas vezes, não se dão conta de que jamais devem misturar as finanças pessoais com as da empresa. Sabe por quê? Porque o dinheiro se perde.

Você ainda não tem um CNPJ? Não tem problema, pois mesmo assim você precisa tratar seu trabalho autônomo como seu negócio.

Se você não consegue identificar o que é seu e o que é da empresa, não dá para saber se o negócio realmente está dando lucro, nem se consegue cobrir seus custos e fazer investimentos. Assim, quando menos esperam, os empreendedores percebem que seu negócio está afundando... Inclusive, esse é um dos principais motivos para o fechamento de pequenas empresas, sabia?

Mas não é isso que você quer para o seu negócio, não é? Então, vamos esclarecer por que é importante separar as finanças da empresa e deixá-las bem longe da sua carteira pessoal.

Por que você não deve misturar o seu dinheiro com o da empresa?

O controle financeiro é um dos principais fatores de sucesso de qualquer negócio. Você precisa saber o que entra e o que sai, quanto dinheiro tem em caixa para não se perder nas contas e quanto está recebendo de lucro e, então, saber quando pode investir no seu negócio.

E separar as finanças pessoais das da empresa é fundamental para conseguir fazer isso. Comprar um expositor para os produtos que você vende, construir um site, investir em publicidade ― só é possível realizar estas ações sem prejudicar o caixa quando se tem todos os ganhos e despesas da sua empresa na ponta do lápis.

Mas o que acontece com essas contas quando você mistura o seu dinheiro pessoal com as finanças da empresa? Você não sabe, afinal, se o negócio está tendo um bom desempenho. Se você paga, por exemplo, os fornecedores com dinheiro pessoal, não vai conseguir identificar se o seu negócio consegue cobrir os custos que gera e se tem lucratividade para fazer investimentos.

Quando você paga suas contas pessoais com o dinheiro da empresa, você pode acabar desfalcando o caixa. Imagine, por exemplo, que você vai almoçar com a sua família e resolve pagar a conta com o cartão empresarial, que tem mais saldo.

Esse valor, além de não estar nos seus planos de gastos, poderia ser usando para pagar os anúncios que você fez para promover a sua marca no Facebook, por exemplo. Para compensar esse gasto extra no seu cartão e cumprir com suas obrigações, você vai precisar vender mais produtos ou pode até ser que precise fazer um empréstimo.

Se isso acontece muitas vezes, torna-se um movimento que chamamos de bola de neve e isso pode ser fatal para o negócio.

Portanto, existem vários problemas em misturar as finanças pessoais e empresariais:

  • Os indicadores de rentabilidade e lucratividade ficam confusos;
  • Você não sabe se o negócio é lucrativo e se pode fazer investimentos nele;
  • O caixa pode ficar desfalcado quando você menos espera;
  • A margem de lucro é reduzida ao pagar contas pessoais com o dinheiro da empresa.

E vale o alerta: apesar de estarmos falando aqui apenas de problemas para o negócio, você precisa pensar também no seu bolso. As finanças pessoais também podem virar uma confusão e, de repente, você pode não ter mais como pagar as suas contas. Por isso, muita atenção e cuidado quando o assunto é dinheiro.

Como separar as finanças pessoais e empresariais?

Separar as finanças pessoais do dinheiro da empresa é um dos primeiros passos para administrar corretamente o seu negócio. Sabemos como é difícil fazer essa separação em um negócio que é seu mesmo. Mas nós vamos ajudar com algumas dicas simples:

  • Faça um raio-X das suas finanças, fazendo uma lista de todas as suas contas em um caderno ou uma planilha; separe, de um lado, as contas pessoais e do outro lado, as contas da empresa;
  • Tenha uma conta bancária e um cartão (e uma carteira, se necessário) para a empresa, que sejam separados do seu dinheiro pessoal;
  • Utilize uma planilha ou um software de fluxo de caixa que registre diariamente todas as entradas e saídas de dinheiro da empresa (e, caso use caixa para fins pessoais, registre essa retirada de capital);
  • Organize também as suas finanças pessoais e mantenha sempre uma reserva para não precisar usar o dinheiro da empresa em caso de emergências;
  • Defina um pró-labore (salário) para retirar mensalmente, que não comprometa as obrigações da empresa;
  • Reserve o lucro da empresa para manter um capital de giro e realizar investimentos quando for necessário (lembre-se que esse dinheiro é da empresa, não seu!).

Separar as finanças é uma atitude importante não só para o sucesso da empresa, mas também para o controle das suas finanças pessoais. Quando você consegue administrar as entradas e saídas de dinheiro e planejar corretamente as despesas e os investimentos, o negócio se torna sustentável. E, especialmente falando de pequenas empresas, quando o negócio vai bem, as finanças pessoais também seguem esse mesmo caminho.

Comunidade Impacto 8
Ler matéria completa
Indicados para você